#observation

#10 Stop, Look, Listen, Feel: Busque Soluções Duradouras

tumblr_inline_ob8zr0M7wr1tk7sus_540.png

Nossa técnica final surge na sequência da recomendação anterior para buscar inspiração a partir desses especialistas com vasta experiência de desenterrar grandes observações. Jane Suri argumenta que um bom observador deve procurar soluções flexíveis e duradouras. Nem tudo requer uma reforma total e as vezes o simples é o melhor. 

A chamada para procurar ideias duradouras nos levam a reconsiderar alguns dos melhores observadores do passado. Um autor literário que fez uma virtude de descrever a vida comum que se desenrola no espaço público foi o francês Georges Perec (1936-1982). 

Em espécies de espaços e outras peças (1974), Perec instruiu seus leitores na forma de ver o que é negligenciado na cidade. Ele encorajou-os a praticar pela ocasionalmente tomando notas do que vêem, de preferência usando algum tipo de sistema.

tumblr_inline_ob8zwrxBaG1tk7sus_540.jpg

Perec escreveu que, se você não notar qualquer coisa, é porque você não aprendeu a observar. “Você deve tentar mais lentamente, quase tola. Obrigue-se a escrever o que não é de interesse, o mais banal, comum, incolor.” A vida na cidade pode parecer banal e fugaz, e, portanto, de acordo com Perec, o observador deve olhar e tomar o tempo necessário para realmente ver a mediocridade desdobramento no espaço público.

Em 1970, o lendário urbanista e profissional de pessoas observador de William “Holly” Whyte formado, um grupo de pesquisa revolucionária pequena chamou o projeto Street Life e começou a investigar os curiosos dinâmica dos espaços urbanos. Sua obra, que pode ser vista através do documentário “A vida Social de Pequenos Espaços Urbanos" 

tumblr_inline_ob9000Nu8f1tk7sus_540.jpg

"Se há uma lição de streetwatching é que as pessoas gostam de princípios - e, como ambientes de ir, uma rua que é a céu aberto e cheio de pessoas ea vida é um lugar excelente para ser. "Estes são apenas dois exemplos, mas ambos servem para enfatizar a importância de fazer a maior parte da riqueza de experiência e conhecimento de alguns dos observadores mais lendários do passado.

#9 Stop, Look, Listen, Feel: Utilize os Recursos Existentes

tumblr_inline_ob8zr0M7wr1tk7sus_540.png

Nossa nona técnica para melhorar a observação é a torneira para recursos existentes. As possibilidades de colaboração on-line tem sido muito discutidas. Isso alinhado tem potencial para melhorar nossas habilidades, aprendendo com aqueles que nos rodeiam. Jane Suri descreve como a entrada de clientes; especialistas e pessoas com experiência na área específica pode melhorar as nossas observações pessoais. 

tumblr_inline_ob8zmeWLJU1tk7sus_540.jpg

Nós selecionamos um par de nossos recursos favoritos aqui. Para quem deseja observar comportamentos e estudos da vida pública, Jan Gehl o arquiteto e consultor de design urbano dinamarquês é uma referência importante. 

Ele argumenta que observando com cuidado e atenção é precisamente o que é necessário para arrancar o conhecimento útil a partir de cenas comuns. Qualquer um que decida observar a vida na cidade vai logo perceber que você tem que ser sistemático a fim de obter conhecimento útil da confusão complexa da vida no espaço público. 

tumblr_inline_ob8zmvrmVI1tk7sus_540.jpg

Ele argumenta que, em geral, “o observador deve ser tão neutra quanto o proverbial” mosca na parede “- benchwarmer do partido ao invés de seu leão, um não participante invisível, que leva na grande figura sem tomar parte no evento”. Em outros lugares, Jan Chipchase é o fundador da Estúdio Radiodurans, uma consultoria de pesquisa, design e inovação. Especializei-me em identificar padrões nuances do comportamento humano. 

O insight gera informação e inspira design, estratégia, marca e políticas públicas. Seu Twitter e Blog (http://janchipchase.com/writing/) São uma fonte constante de inspiração para todos que desejam aperfeiçoar suas habilidades de observação. Uma última referência é o livro de dados pequeno por Martin Lindstrom, um pesquisador de mercado que aproveita o poder de “pequenos dados” (http://www.goodreads.com/book/show/25663776-small-data

tumblr_inline_ob8zn9zsyG1tk7sus_540.png

Em sua busca para descobrir novas tendências. Contratado por marcas mais importantes do mundo para descobrir o que faz com que seus clientes carrapato, Martin Lindstrom passa seu tempo em casas de estranhos, observando cuidadosamente cada detalhe, a fim de descobrir seus desejos ocultos, e, finalmente, as pistas para um produto de milhões de dólares.

(Este post foi retirado do nosso blog Inspiração)

#4 Stop, Look, Listen, Feel: Busque Situações Extremas

tumblr_inline_ob8zr0M7wr1tk7sus_540.png

Dando continuidade à nossa série de posts ‘Question Everything’ (Questione Tudo), baseada no trabalho do livro “Thoughtless Acts?” de Jane Fulton Suri, e combinada com nossas próprias observações como etnógrafos e fotógrafos de rua, trazemos a quarta dica: 

Uma forma muito útil de compreender a relação e experiências que as pessoas têm com os objetos e seu ambiente é procurar situações extremas. 
Isso nos permite buscar experiências para além do que já sabemos ou vivemos no nosso dia-a-dia, a fim de perceber algo novo.

tumblr_inline_oadiffbG5m1tk7sus_540.jpg

Usuários intensos muitas vezes podem ter um relacionamento mais complexo ou íntimo com objetos ou espaços, podendo revelar mais do que usuários moderados. Seus exemplos específicos nos permitem ver padrões, temas e condições limítrofes em torno da experiência que pode não ser trivial.

tumblr_inline_oadiex5qSu1tk7sus_540.jpg

Suri argumentou que isso pode depender muito de cada projeto, por isso é difícil falar de forma geral. “Digamos que estamos projetando uma máquina
de lavar roupa; podemos visitar alguém que lava roupas profissionalmente, alguém que é responsável pela lavagem de peças delicadas, em um lugar onde a água é um recurso precioso ou onde as pessoas lidam com situações de extrema sujeira – ou seja, situações que podem ser de alguma maneira invisíveis.

#3 Stop, Look, Listen, Feel: Foque nas Ações

tumblr_inline_ob8zr0M7wr1tk7sus_540.png

Dando continuidade à nossa série de posts ‘Question Everything’ (Questione Tudo), baseada no trabalho do livro “Thoughtless Acts?” de Jane Fulton Suri, e combinada com nossas próprias observações como etnógrafos e fotógrafos de rua, trazemos a terceira dica:

Ao discutir a importância de se concentrar na ação, Suri argumenta que, assim como o livro descreve, há imagens de pessoas, enquanto outras imagens mostram coisas que as pessoas fazem. Todas estas coisas estão conectadas - os objetos e a forma como eles implicam ou provocam comportamentos e significados emocionais. Se entendermos
as respostas emocionais ou comportamentais, estamos mais bem preparados para alterá-las.

tumblr_inline_oadi1o0bwf1tk7sus_540.jpg

Outro elemento importante para transformar nossas habilidades em uma disciplina é a documentação de nossas observações. O autor francês Georges Perec (1936-1982) em Species of Spaces and Other Pieces (1974) instruiu seus leitores a verem o que é despercebido na cidade. Ele encorajou a prática de tomar notas ocasionais daquilo que vêem, de preferência usando algum tipo de sistema. Perec escreveu que se você não notar qualquer coisa, é porque você não aprendeu a observar. “Você deve tentar de forma mais lenta,
quase ingênua. 

Obrigue-se a escrever o que não é interessante, o mais banal, comum, incolor.” A vida na cidade pode parecer banal e fugaz, e, portanto, de acordo com Perec, o observador deve olhar e tomar o tempo necessário para realmente ver o cotidiano se desdobrando no espaço público.

Perec fala sobre usar um caderno, mas na realidade o nosso caderno e muitas outras coisas estão concentradas em nosso smartphone. Uma grande vantagem disso é que, com o advento das redes sociais, podemos não só compartilhar e colaborar em tempo real com um grupo geograficamente amplo de observadores, mas também podemos ter um registro digital permanente de nossas observações. Fundamental para usufruir dos benefícios de redes on-line é o uso de hashtags que permitem que nossas informações sejam descobertas e compartilhadas com outros.

tumblr_inline_oadi3iROc91tk7sus_540.jpg

Essa forma mais dinâmica de fazer anotações de campo está redefinindo a própria etnografia. Algumas das oportunidades e desafios de tais métodos são abordados neste grande artigo da etnógrafa Tricia Wang.

(Este post foi retirado do nosso blog Inspiração)

#2 Stop, Look, Listen, Feel: Conheça o Mundo Lá Fora

tumblr_inline_ob8zr0M7wr1tk7sus_540.png

Dando continuidade à nossa série de posts ‘Question Everything’ (Questione Tudo), baseada no trabalho do livro “Thoughtless Acts?” de Jane Fulton Suri, e combinada com nossas próprias observações como etnógrafos e fotógrafos de rua, trazemos a segunda dica:

Uma importante prática para melhorar nosso comportamento como observadores é desenvolver a disciplina de perceber trivialidades pelo mundo, argumenta Suri.

tumblr_inline_oad9sabIWY1tk7sus_540.jpg

Qualquer um que vive em uma grande cidade brasileira e está acostumado à natureza problemática do espaço público no Brasil sabe que o ato de caminhar pode ser um tanto disruptivo por aqui. Contudo, a importância de andar para afiar nossas habilidades pode ser aplicada não somente à habilidade de observar comportamentos em nossa vizinhança imediata, mas também como estímulo à nossa criatividade (creative juices).

tumblr_inline_oad9stad951tk7sus_540.jpg

Ano passado, pesquisadores de Stanford descobriram que as pessoas têm um melhor desempenho em testes de criatividade de pensamento divergentes durante e imediatamente após uma caminhada. O efeito foi similar independentemente se o participante fez um passeio dentro ou fora, andando em uma esteria e olhando para a parede.

tumblr_inline_oada0kgc0Z1tk7sus_540.jpg

Eles descobriram que o próprio ato de caminhar, ao invés da paisagem encontrada em um passeio, foi fundamental para aumentar a criatividade.“Parte do porque de caminhar, eu acho, é importante podendo ser chato. É aquele aspecto que faz com que a sua mente volte e lembre, mesmo que inconscientemente, diz Jane.

(Este post foi retirado do nosso blog Inspiração)

Stop, Look, Listen, Feel - Introdução

tumblr_inline_ob8zr0M7wr1tk7sus_540.png

Esse é o primeiro dia de uma série de posts que faremos sobre como capacidade de observação pode nos inspirar e sobre como podemos desenvolvê-la.

Uma de nossas muitas inspirações para melhorar nossas habilidades como observadores vem do Estúdio de Design Inovador IDEO’s Jane Fulton Suri. 
Ela é a autora do pequeno livro “Thoughtless Acts? Observations on Intuitive Design.” O livro é uma coleção fascinante de ‘snapshots’ (fotos instantâneas), que diz muito sobre as maneiras que nós acidentalmente e intuitivamente criamos soluções para os problemas que encontramos diariamente. 

 

Ela também dá uma ideia do valor de olhar cuidadosamente e conscientemente para as infinitas formas que nós interagimos com as coisas e pessoas ao nosso redor. 

Jane compartilha 10 técnicas que irão te ajudar a prestar atenção, tomar nota e elaborar a solução mais criativa para qualquer projeto. Nos nossos próximos posts, iremos compartilhar algumas das ideias do ‘Thoughtless Acts" com as nossas próprias observações como etnográfos e fotógrafos de rua e algumas atividades que nós achamos que podem lhe ajudar a desenvolver sua própria curiosidade de observar.

Ah, e não se esqueça de nos contar o que você achou :)

(Este post foi retirado do nosso blog Inspiração)