Ouvidos do Brasil

Screen Shot 2013-01-15 at 16.02.20.png

Inspirado por um projeto que estamos pesquisando sobre a ascensão e impacto das tecnologias digitais e mídias sociais no Brasil estamos interessados em descobrir o seguinte...


39% das relações globais no Twitter envolvem alguém que segue os tweets de uma pessoa na mesma região metropolitana, por exemplo em São Paulo, mais de 78% dos relacionamentos são locais. Tais dados aparecem em estudos que mostram que, embora a mídia não esteja mais limitada por limites físicos, e que o lugar mais fácil para obter informações de outras pessoas são as mídias sociais. Os problemas só aparecem quando:

1. Quando nos escrevemos em uma nova rede, somos empurrados a nos conectar com pessoas que já conhecemos...

Screen Shot 2013-01-15 at 15.34.51.png

2. A facilidade com que podemos clicar no botão de deletar amigo, quando discordamos de algo é muito fácil. Tais fenômenos levam Ethan Zuckerman, do MIT a escrever recentemente: “Maior conexão digital não leva automaticamente a uma maior compreensão”. Com isso em mente e com o espírito de “somente conectar pessoas” decidimos criar um experimento no Twitte, o “Ouvidos do Brasil".  Criamos uma conta no Twitter específica em que não vão nos obrigar a  seguir as pessoas que conhecemos, mas seguir uma seleção de usuários brasileiros do Twitter que representem a população brasileira em termos de características demográficas, mas também os comportamentos  de um perfil brasileiro.
Novas novidades sobre este projetos, estão por vir...  

A América Latina é de todos nós

Nesta última semana aconteceu em Porto Alegre a terceira edição do festival “El Mapa de Todos”, um projeto voltado para a integração ibero-americana na área da música e da cultura digital.

249244_486398988059094_2109961906_n.jpg

O festival que aconteceu em Porto Alegre, sede do Forúm Social Mundial, da Bienal do MERCOSUL e ponto de conexão entre o Brasil, Argentina, Uruguai e o conjunto da América do Sul. Capital dos gaúchos “do Sul,  do Brasil e do Mundo”, Porto Alegre tem uma forte identidade com a cultura rock, que traduz em suas letras o cotidiano e os costumes da cidade.

O evento que foi realizado em três dias, a cada dia trazia atrações nacionais e internacionais. O que torna o evento ainda mais grandioso nesta terceira edição é que o festival está se consolidando como o principal evento desse tipo no Brasil.

Que o Brasil está crescendo nos não temos dúvidas, é possível ver de perto a tamanha força que o nosso país possui. E que com a ajuda de seus países vizinhos, mostra um país cada vez mais cultural e unido. Fernando Correa do Segundo Caderno no Jornal Zero Hora, mencionou em sua matéria: “No encontro transcontinental, revelou-se força da cena local, tantas vezes desacreditada”.

Assistindo de perto, todos os dias e atrações do festival, que contou também com um seminário realizado na Casa de Cultura Mário Quintana sobre a Reintegração Cultural, só se tem a concluir o quanto o Brasil é um mix de culturas e países, e é bom ver eventos como este que lembram que países como Argentina e Uruguai fazem parte de nós.

Projetos levam frases e arte das ruas para a internet

Duas páginas brasileiras em redes sociais levam mensagens das ruas para a internet. Da tradicional “você já abraçou alguém hoje?” a frases com peso político maior, como “Se votar mudasse alguma coisa, seria proibido”, o projeto Olhe os Muros exibe frases escritas em locais públicos em seus perfis no Facebook, Tumblr e Twitter. A proposta é semelhante à do As Ruas Falam, que coleciona além de frases intervenções como a mudança do sinal de “Pare” para “Pire”. Há quase um mês no ar, o projeto, com páginas no Facebook e Pinterest,  já recebeu mais de 200 colaborações, incluindo imagens de outros países. Veja galeria com imagens dos dois projetos.

Fonte: http://catracalivre.folha.uol.com.br/2012/10/projetos-levam-frases-e-arte-das-ruas-para-a-internet/ 

The Listening Agency, The Guardian and Open Journalism

Although we have been in existence and working with some fantastic clients both here in Brazil and in the UK and US for some time now. We have never actually officially done anything to announce our presence here in Brazil. With that in mind, and to launch our new 'Listening Content' channel we are pleased to announce that we will be bring Piers Jones from the Guardian newspaper to Brazil to discuss the newspapers 'Open Journalism' policy, the implications and learnings from the first 6 months of the Facebook application, the first of its kind. Whilst we think that there is a great opportunity for shared learnings between the UK and Brazilian media in the field of social media, the importance and role of 'Listening' in the emerging information and opinion landscape is emphasized below in the interview with the Guardian's Catherine Shoard, discussing Open Journalism in the arts. We will be back with more information about Pier's visit to Brazil soon.

And just in case you haven't seen the 3 Little Pigs Open Journalism advert which is currently on air in the UK you can take a look here:

Escute a cidade...

Seguindo com a temática de arte na cidade, encontramos um projeto chamado "Escute a cidade". A ideia deste é espalhar cartazes em pontos estratégicos da cidade e, assim, buscar a "reflexão sobre o caos urbano, a superlotação,o tráfego, e acima de tudo sobre nossa indisposição a parar e escutar. Escutar para entender. Entender para transformar." Uma proposta banaca que vai de encontro com a nossa: Escutar como forma essencial de entender. Fonte: Escute a cidade.

Arte na cidade

Não podemos pensar na cidade como uma entidade parada. Ao contrario, ela é um ponto de inflexão onde se encontram os fluxos da arte, do urbanismo, das diferentes classes sociais e mais um sem fim de movimentos. Na revista São Paulo, da Folha, a repórter Juliana Vilas conta como dois jovens grafiteiros tiveram a ideia de transformar as lixeiras de concreto da avenida paulista em obras de arte. Como falaram para a matéria: "A ideia é interagir com o mobiliário da cidade, propondo um novo tipo de linguagem e colocando a arte ao alcance de todos. É bacana ver as pessoas surpresas quando passam e reparam que objetos cinzentos, que sempre estiveram ali, agora estão coloridos, com desenhos bem humorados"

Os artistas pintaram uma das lixeiras para parecer uma caixa de som. Ainda, colocaram dentro desta um radio tocando musica, criando um efeito quase magico no meio do concreto. A caixa de som, nos parece, é uma projeção artística dos sons que a cidade, e por conseguinte seus habitantes, estão querendo externalizar.

Ouvir é preciso.