#1 Stop, Look, Listen, Feel: Busque Inspiração na Vida Real

tumblr_inline_ochfxzvECX1tk7sus_540.png

A primeira dica para melhorar sua habilidade de observação é: procure inspiração nas interações diárias. Observe como nos comportamos na vida real.

tumblr_inline_ochfyxF0ES1tk7sus_540.png

Nós gostamos muito da ideia de que #somostodosantropologos. As redes sociais nos permitem um acesso sem precedentes para a vida dos outros e aplicativos móveis, sensores e a internet das coisas cada vez mais nos permite monitorar os nossos próprios comportamentos.

tumblr_inline_ochfzhtllB1tk7sus_540.png

Como resultado, nós todos estamos, queiramos ou não, sendo observados e observando nós mesmos e os outros em níveis anteriormente inconcebíveis. Nós também acreditamos muito que observação literalmente começa em casa.

Nós não precisamos procurar o exótico, tribos estrangeiras ou comportamentos extremos para o assunto das nossas etnografias. Nós podemos aprender muito observando nosso próprio comportamento e daqueles que estão ao nosso redor. Quando nossos pais adotam novos comportamentos isto é possivelmente um bom sinal que algo se tornou convencional.

tumblr_inline_ochg0dZeTt1tk7sus_540.png

Da mesma forma para aqueles de nós com filhos, como novos adotadores de novas idéias, conteúdo e tecnologias que podem ser um sinal das tendências emergentes .

Esta ideia de “antropologia de nós mesmos” não é totalmente alheia de um dos mais antigos e mais importantes experimentos na observação social, o Estudo de Observação da Massa (Mass Observation Studies) realizado no Reino Unido.

tumblr_inline_ochg0v66VN1tk7sus_540.png

Esta organização foi fundada em 1937 por um grupo de pessoas, que visou criar uma ‘antropologia de nós mesmos’. Eles recrutaram um grupo de observadores e um painel de voluntários escritores para estudar a vida cotidiana de pessoas comuns na Grã-Bretanha.

Este trabalho original continuou até o começo de 1950. Em seu livro, Jane Fulton Suri descreve uma variedade de comportamentos que servem para exemplificar como nossas frequentes interações inconscientes com o nosso ambiente físico revela muito sobre o nosso comportamento diário e relacionamentos com design em geral. Estas são ações, desencadeadas pelo nosso relacionamento com o mundo, que parecem ser automáticas ou intuitivas.

Para o propósito do livro, ela definiu 8 categorias de comportamentos que nós reproduzimos aqui junto com alguns de nossos próprios exemplos de fotos que servem como bons modelos de comportamentos.